O Prometeu Acorrentado – Resenha e Análise

 

 

 

O Prometeu Acorrentado

Ésquilo


Tema: Tragédia. Traição. Autoritarismo e Esperança

Resumo: O Titã Prometeu, ajudou  Zeus a subir ao Trono dos deuses, porém será traído por Zeus quer destruir a humanidade.

Passado Anterior (Titanomaquia)

 

Com a velhice Cronos, Deus dos Deuses primevos, avisado que será destronado por um de seus filhos, ele passa a devorá-los, Zeus o mais novo com a ajuda da mãe Réia consegue sobreviver. Com o passar dos anos o jovem Zeus cresce longe dos olhos paternos e cumprindo seu destino, liberta seus irmãos e tios Titãs e  começa uma luta contra seu pai, ajudado princpalmente por Prome teu, depois de renhida luta consegue aprisionar Cronos no interior dos montes Cáucaso. Porém Zeus ao se tornar Senhor absoluto do Olimpo planeja aniquilar com a humanidade terrestre. Eis que Prometeu o desaconse lha e não sendo ouvido por Zeus, rouba-lhe o fogo e dá aos humanos o acesso a Ciência, a matemática, as letras e os ensina a serem senhores da natureza. Zeus irritado manda que Hefesto, O Deus ferreiro prenda Prometeu em um rochedo onde ele não possa se soltar.

 

O Livro


 

Começa justamente quando Hefesto prepara correntes para prender Prometeu seu irmão, o Deus ferreiro vacila, se o prende ou não. Porém, o poder e a violência o obrigam que cumpra a missão de Zeus. Já preso,  Prometeu recebe solidariedade do Deus Oceano, que se propõe a pedir pela sua soltura, Prometeu recusa, sabendo que Zeus não o perdoará, nem a ele e nem a Oceano por defendê-lo.

No seu martírio, Prometeu recebe ainda a visita de Io, uma linda jovem por quem Zeus, se apaixonara, sendo ela castigada por Hera, a mulher de Zeus. Io vive mudando de pais sendo perseguida e molestada por uma espécie de besouro, que não a deixa ficar em qualquer lugar. A conversa entre Io e Prometeu é uma das passagens mais belas da literatura vitima do poder tirano eles se lamentam, mas ainda tem esperança

Por fim o diálogo entre o Prometeu e Hermes, que fora enviado por Zeus. Este debate é fundamental para ver o combate de idéias e ideais, entre a liberdade de falar de prometeu, mesmo preso ao rochedo e o aprisionamento da liberdade de quem está solto (Hermes). São trechos maravilhosos em que Prometeu rechaça qualquer aliança com Zeus e prediz o fim do próprio tirano.

 

Pequeno Comentário

 

Este livro é muito pequeno, com cerca de vinte e poucas folhas, mas se constitui em grandioso no combate ao autoritarismo, na necessidade em ser firme naquilo em que se pensa, no caráter libertador, pois mesmo Prometeu preso, sua mente não cede diante da tortura do tirano. É uma aula de prática, mesmo sozinho a esperança de que seu ideal será alcançado e de que sua teses são justas. Não ceder em seus princípios e ir até ao fim naquilo em que se acredita.

Segue o Link do Livro para ler em PDF

http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/prometeu.pdf

Sobre Ésquilo

 

Poeta grego. Viveu por volta de quatrocentos e oitenta A.C. É um dos precursores da tragédia grega. São poucos os livros dele que chega ram até nós. Muitos dos seus escritos se perderam por completo, outras apenas partes. Temos acesso aos seguintes: a TRILOGIA DE ORESTES e o PROMETEU – que é uma trilogia, mas que se conhece apenas o primeiro volume.

Anúncios

Teogonia x Tecnologia

 

Deuses Primevos


A grande Teogonia Grega pode ser grosso modo, dividida em dois momentos bastante distintos a fase um, que tem a haver com a criação propriamente dita: Caos, Terra (de amplos seios), Tártaro e Eros, são deuses primevos, vinculados a idéia de forças da natureza, nada elaborado, crus, com a força bruta e sem grandes elaborações estéticas e intelectuais. Ainda desta primeira geração temos, Cronos, os Titãs, o Mar, a Noite e a mais elaborada das criações desta fase, Afrodite. A segunda fase é a consolidação dos novos deuses, que conquistaram o Olimpo e farão de Zeus, seu soberano, aqui esta nova geração luta contra a anterior e domina a “Natureza”, e já constrói para si morada e têm um modo de vida já mais elaborado, intelectualmente superior e esteticamente lançará bases de toda cultura ocidental. Também aqui teremos duas fases internas bem definidas do ponto de vista estético e intelectual: a fase Apolínea e a Dionisíaca.

Apolo


 

Obviamente que cada “tempo” corresponde ao grau de desenvolvimento do mundo grego, a geração primeira são as fabulosas criações do homem que se fixa na terra e tenta entender os fenômenos a ela associados: as estações do ano, a terra “grávida”, a época da colheita, as lutas ferozes com animais selvagens, a luta pela vida, ou seja, os sentimentos mais elementares se refletem diretamente nos deuses por eles cultivados. A segunda geração vem justamente do domínio da natureza hostil e vencida esta batalha novos desejos objetivos e subjetivos surgem, o tempo outrora gasto para fugir dos males que os atingia, hoje se gastará com coisas mais criativas, como: construção de cidades, esgotos, sistemas de água, armas de guerras mais sofisticadas, a ciência mais elaborada, a experimentação, o cálculo matemático, a nomeação das estrelas, a construção de casas melhores e maiores, os templos, as belíssimas estátuas, vasos, os códigos rudes e leis e justiça, os governos ditatoriais, esta é a fase Apolínea, do Deus Apolo, o grande engenheiro, arquiteto, matemático, o moralista e justiceiro autoritário, a fase do pensamento exato e calculado.

Dionísio



Entramos enfim no apogeu grego com o advento do “ócio criativo”, todas as conquistas do período Apolíneo se refletirão no surgimento da alta cultura, que é consolidada com a fase Dionisíaca, que terá na filosofia, no pensamento elaborado, no Teatro trágico e orgiástico, o grande Ditirambo, e seus mistérios, sua cártase, seu êxtase, o novo padrão de cultura e liberdade. Na fase Dionisíaca já não temos o poder das curvas e formas exatas, mas a ampla liberdade de criar esteticamente livre, a adoção da democracia, dos códigos de leis mais justos, dos debates públicos é que muitos chamam da cultura Dionísio, o Deus da Festa, do mel, vinho, e líquidos. Com Dioniso teremos a consolidação do poder da imagem, da linguagem, da beleza, da comunicação de massa, o apogeu da cultura grega, a preocupação de formar ideologia e sem dúvida até hoje bebemos daquela infindável fonte.

 

Educação Formal


 

Alguns devem ter desistido de ler, o que é uma pena, mas àqueles que perseveraram, vem o elo com o presente e o futuro, lógico no meu ponto de vista, tudo que escrevi acima é uma reflexão e uma metáfora que construi para simbolizar o que somos hoje, nós que trabalhamos com engenharia e tecnologia. Tudo o que não sabíamos e construímos no pós-guerra (o Caos, a Terra, o Tártaro e Eros), passando pelo surgimento da moderna Engenharia e Ciência (Apolo) vem desembocar no hoje livre, democrático, criativo, linguagem cifrada (Marketing e Inovação)

Será que nós, que fomos educados na cultura Apolínea, já demos nossa virada? Nossas cabeças estão prontas a aceitar a nova estética? Será que nosso desemprego ou subemprego é por que não nos adaptamos aos novos tempos? Sem dúvida não é uma questão de idade, basta lembrar que Eurípedes tinha mais de 40 anos quando escreveu “As Bacantes”, e é nela que temos o principal rito dionisíaco, ou seja, os fundamentos da modernidade grega.

Para mim, nunca tivemos tantas chances de fazer tanto como agora, parece louco o que estou escrevendo, mas é que o resultado de toda esta contradição que vivemos (desemprego x Inovação, Marketing x Engenharia) é um profundo processo criativo, informativo, qualidade de vida, estético. Nunca na história tivemos tantas oportunidades de construirmos um mundo melhor como agora, o que nos falta? Começar a fazer… A única coisa que devemos consolidar neste momento é nosso compromisso com a ética (nos negócios, na política, na vida privada), a solidariedade (construir um mundo melhor para si e para todos) e igualdade (para ser justo temos que ter direitos iguais e acesso ao direito igualmente). Com este três valores, com a gama de informação, com nossa inteligência vamos mudar o mundo, primeiro mudando nossa vida, estudando, debatendo, ouvindo, ensinando e aprendendo.

Análise de Ilíada/Odisséia – Visão Política

 

 

 

Depois de publicar os apontamentos dos meus resumos da Ilíada e da Odisséia sou instado a tentar analisar o significado destas obras. Aqui começa a grande dificuldade: a multiplicidade de visões que as obras apontam. Tentarei cercar , didaticamente em 3 visões, que se interpolam: Política, Educação e Psicologia.

A visão de Educação, está diretamente ligada a monumental obra de Werner Jaeger, a Paidéia. A visão Psicológica meu guia será o Junguiano Junito de Souza Brandão e suas obras sobre Mitologia Grega e Romana. As observações políticas fazem parte de uma junção de leitura e estudos pessoais que tentam extrair lições próprias destes livros.

A dimensão Política

 

Cidades Estados em busca de Estado Nacional

As cidades gregas, denomição genérica dada aos povos que habitavam a região dos balcãs, em particular sua parte sul, se constituiu das várias migrações tanto européias quanto asiáticas. Vários povos formaram estas cidades e trouxeram seus valores e culturas, mas não havia uma identidade “nacional” até aproximadamente o Século IX  e VIII A.C.

Estas cidades formadas por tribos de genes comuns, com economia baseada na agropecuária com mão de obra escrava, conquistados em pequenas guerras regionais ou tribais, suas instituições políticas vão se sofisticar paulatinamente nos séculos seguinte e serão referência de exercício de poder democrático.

Com o predomínio dos Dórios começa lentamente a se ter um maior e mais intenso contato entre estas cidades estados, sem dúvida o comércio e trocas entre elas ajudou a aproxima-las, neste aspecto a religião com seus deuses comuns ajudam a formar uma identidade comum. Mesmo assim elas permanecem “autônomas”.

A Ilíada nos traz o pano de fundo da Guerra Internacional os povos “gregos” em coalizão invadem a Capadócia. Esta união nacional é germe do estado grego confederado, os chefes locais unem-se aparentemente para defender um dos seus que havia sido ultrajado pelo estrangeiro que roubara-lhe a esposa(rapto ou sedução de Helena por Páris, príncipe troiano).

Cada povo representado na armada grega tem seu príncipe como instância máxima de poder decisório. Os doze principais reunidos têm em Agamenon seu comandante em chefe, mesmo ele não tem todo o poder para si as principais decisões são amplamente decididas pelo colegiado dos príncipes.

A questão da guerra, muito além do rapto é a tentativa de formatar o Pan-helenismo o estado nacional grego, o combate é a forma mais rápida e eficaz de dar unidade a esta idéia. O próprio funcionamento dos órgãos decisórios também demonstra a futura formação política do estado grego.

A poesia de Ilíada e Odisséia está carregada de ideologia política, de leis, códigos, que escritas ou não serão seguidos por todos, a coerção, o caráter obrigatório que elas assumiram. Estas cidades estados, com suas leis locais, vão se moldando ao “espírito grego nacional”, as principais cidades, Atenas e Esparta darão a dinâmica político-militar ao estado grego.

Esta inovação marcará definitivamente a história ocidental, desta fonte original primeiro beberão os Romanos, quando da formação política do seu estado, que em muito ultrapassará o grego por seu caráter imperialista. Este caráter, se inspirará em Alexandre Magno, o Macedônio, que conquista a Grécia, e eu seu nome se expande ao Oriente, sem no entanto reter este império.

As instituições políticas, as assembléias, as leis de estado, a democracia é o legado grego para o ocidente. Todas estas questões estão presentes nas duas obras.

Odisséia – Resumo

 

 

Odisséia


Autor: Possivelmente Homero

Resumo: Retorno do Herói Grego Odisseus  à Grécia, após sua participação na Guerra de Tróia

Acontecimentos anteriores

Após a morte de Heitor e Aquiles, os maiores expoentes da Guerra de Tróia, depois de 10 anos de cerco grego, há um grande impasse na armada grega, muitos homens já cansados da guerra e longe de suas casas, sem perspectiva de queda das muralhas invencíveis de Tróia, querem o retorno imediato. Odisseus e Diomendes tem a idéia genial de ludibriar os troianos dando-lhes o famoso “presente de grego”, o Cavalo de Tróia. Com o sucesso no invento, destruída a cidade e em posse de seus espólios de guerra, começa o retorno à Grécia.

 

 

O Livro


 

Telamaquia

 

A história começa com o filho de Odisseus, o jovem Telâmaco indo aos reinos vizinhos à Ítaca, Pilio e Lacedomia, para saber notícias do de seu pai que decorrido quase 10 anos do fim da guerra ainda não voltara para casa. Também vai pedira ajuda aos reis amigos pois seu palácio fora invadido por 108 pretendentes à mão de Penélope, pois passado 20 anos ela deveria casar-se novamente e Ítaca deveria ter um novo rei.(esta parte do canto I a V, é conhecida como Telamaquia e parece desconectada da história em geral,provavelmente escrita por outro autor, mas inserida como parte da Odisséia)

Neste momento, apartir do cantoVI, Odisseus consegue finalmente  sair de Ogígia numa pequena jangada, que infelizmente naufraga e ele acaba no reino do Feácios, salvo por uma filha do Rei Alcinoo ele não se revela, apenas na presença do Aedo Demodoco (Homero representado por si), quando este começa cantar as aventuras dos gregos em Tróia. Emocionado Odisseus se revela e passa a narrar todas as suas desventuras até o último naufrágio.

 

 

Aedo Demodoco


Conta que após o saque de Tróia ele foi amaldiçoado pelo deuses por sua artimanha em criar o cavalo, um embuste imperdoável. Para complicar ele furou o olho do Gigante Cíclope, Polifemo, filho de Poseidon, senhor dos mares, que por vigança faz com que as naves  de Odisseus naufraguem, apenas ele sobrevive.

Circe e Calipso

(Circe)

(calipso)

Ele fica um ano ao lado da Ninfa Circe e só depois de visitar o Hades, e saber por Tirésias do que tem fazer é que ele parte de volta na viagem. Ele consegue sobreviver ao canto das Sereias, a passagem dos monstros marinhos, mas Poseidon o persegue, ele acaba indo parar na Ilha de Hélio, seus marinheiros o desobedecem e matam as vacas do deus Sol, o castigo é que ao embarcarem ele voltam a naufrgar, Odisseus sobrevive e passa a viver com a musa Calipso, ficando com ela por volta de 7 anos.

 

(Odisseus e as Sereias)

 

Angustiado com o sofrimento do amado, Calipso pede a Palas Atena que liberte Odisseus do seu castigo, ele é finalmente enviado a Ítaca numa janganda, mas Poseidon ainda o persegue e ele acaba ali no reino dos feácios.

 

 

A volta a Ítaca

 

 

A última parte relata a sua chegada a Ítaca, seu palácio invadido pelos pretendentes à mão de Penélope, Odisseus disfarça-se de velho e entra no palácio finalmente. A pressão sob Penélope torna-se insuportável e os pretendentes exigem que ela escolha um entre eles imediatamente. A solução encontrada foi simples, aquele que conseguisse disparar com o arco de Odisseus seria o escolhido.

Um a um dos pretendentes foram tentando curvar o arco, até que o “velho” pede para tentar, foi motivo de troça, mas deixam-no, para surpresa geral ele manipula o arco e com a ajuda de Telemaco mata a todos os pretendente.

Depois de 20 anos, 10 de ida e 10 de volta, Odisseus finalmente retoma o trono de Ítaca ao lado de Penélope, que lhe fora fiel neste longo tempo.

 

Ilíada – Ficha de resumo(1996)

ILíADA

Autor: Homero

Tipo: Poema Épico

Tema A ira de Aquiles, a vingança dos Deuses e a reconciliação

Resumo: trata-se da Guerra de Tróia, mas particularmente do nono ano de cerco da cidade pelos Gregos.

 

Dados anteriores ao conflito:

 

A disputa por Helena

 


Segundo fragmentos do livro Cíclicos, Helena, filha de Zeus com a mortal Leda nasceu com uma incrível beleza e quando adolescente vários príncipes disputaram seu amor saindo-se vencedor Menelau, príncipe da Lacedemônia, ao tomá-la como esposa, ele conseguiu que todos os outros concorrentes se comprometessem a sempre defender a honra e a casa de Helena.

A escolha de Páris

 


Em Tróia governava Príamo , ele teve 50 filhos com Hécuba,porem ao nascer Páris uma profecia ligava-o a destruição de Tróia ele acabou sendo criado por camponeses sem saber que era filho do rei . Ele se tornou por acaso juiz de uma disputa entre Afrodite, Hera e Palas Atenas, sobre qual delas seria mais linda. Cada uma prometeu um presente se a ela escolhesse ,porém ele se inclinou pelo presente de Afrodite,que era,o amor da mulher mais bonita do mundo ou seja de Helena.

O rapto de Helena

Cumprindo a promessa Páris, primeiro foi aceito em casa por seus pais apesar da profecia e, depois partiu em viagem à Grécia. Ele vai a cidade de Esparta ,lá aproveitando-se da ausência de Menelau seduziu Helena,segundo alguns,já outros opinam que ele a seqüestrou simplesmente. Eu, particularmente penso que ele a seduziu, pois com a ajuda de Afrodite, deusa do amor, parece-me mais obvia a sedução, o certo é que ele a levou consigo para Tróia e tomou-lhe como esposa. Ao retornar Menelau convoca todos os príncipes que estavam a ele preso pela palavra e em assembléia elegem Agamêmnon como comandante em chefe das tropas Gregas,e,partem rumo a Tróia para famosa batalha.Ha vários episódios anteriores ainda ao cerco de Tróia,que valeriam ser citados,mas não e objeto deste estudo.

O Livro

A Ira de Aquiles

 


A história começa exatamente após o saque a cidade do rei Crises, como espolio deste saque Aquiles toma para si à bela Briseide, filha do rei, porem, Agamêmnon, usando do poder de comandante em chefe não cede a posse da escrava a Aquiles e determina que ele seja o legítimo senhor dela. Aquiles, o principal herói Grego participante da guerra, também o mais forte, não aceita passar por tão grande humilhação e convoca assembléia. Nesta,Agamêmnon confirma sua decisão e Aquiles iracundo resolve abandonar o cerco deixando os Gregos desfalcados de seu mais poderoso guerreiro

Aquiles, queixa-se com sua mãe a deusa Tétis, que vendo a humilhação de seu filho sobe ao Olimpo,e pede a Zeus que castigue aos Gregos por sua atitude.Zeus atende ao seu pedido e a guerra toma um novo rumo, isto ocorre no inicio do décimo ano do cerco a Tróia.

Ao recomeçar o combate, pouco a pouco os Troianos vão vencendo e depois de nove anos de cerco eles se arriscam a combater fora das muralhas, chegando mesmo a empurrarem os Gregos para próximo de seus navios. Com esta grande ofensiva Troiana, Agamêmnon, reconhece seu erro ao desprezar a força de Aquiles e sugere uma Embaixada para parlamentar com ele e oferecer-lhe Briseide e a promessa de casamento do filho de Aquiles,Neoptélemo,com Ifinassa, sua filha.

A Embaixada de Néstor

A Embaixada leva as ofertas a Aquiles que recusa redondamente e revela-lhes que seu destino já esta traçado com duas alternativas:a primeira seria lutar ao lado dos Gregos e morrer nos combates cedo ou tarde e ser eternamente herói, ou a segunda ir- se de volta à Ftia e viver por longos anos. Ele antes escolhera a primeira alternativa, mas depois da humilhação que sofrera/estava por decidir-se pela segunda.

Com o fracasso da Embaixada os Troianos vão avançando cada vez mais até encostar os Gregos contra seus navios chegando, inclusive a queimar-lhes duas naus em encardecidos combates.

 

Pátroclo e as Armas de Aquiles


Nestor,um dos mais sábios líder Grego convence a Pátroclo,o melhor amigo de Aquiles,a apelar-lhe para que volte ao combate, senão pelo menos ele, Pátroclo, pedir as armas de Aquiles e lutar para evitar a derrota dos Gregos. Pátroclo faz um apelo apaixonada, mas Aquiles recusa, no entanto concede que ele use suas armas para ajudar a afastar os Troianos dos navios Gregos,e ainda aconselha para que ele não vá alem da planície Troiana, pois se ele se arriscar a tentar combater junto às muralhas poderá lhe ser fatal.

Dito isto, Pátroclo veste as armas de Aquiles e vai ao combate. Os Troianos ao virem às armas reluzentes de Aquiles amedrontam-se e partem em retirada atabalhoada, o que faz com que Pátroclo e os Gregos avancem rumo à muralha, empolgado com o combate,ele esquece-se do conselho de Aquiles e vai matando Troianos e se aproximando das muralhas, porem seus elmo é levantado no combate e revela-se que não era Aquiles. Ao perceber isto -Heitor, o grande herói Troiano parte para o combate singular e mata Pátroclo.

 

Aquiles x Heitor



A notícia da morte de Pátroclo logo chega aos ouvidos de A
quiles que arrasado com o fato decide-se por entrar novamente no combate, não por amor aos Gregos e sim para vingar o amigo morto. Com a ajuda de sua mãe, a Deusa Tétis, ele tem novas armas fabricadas pelo Deus ferreiro,Hefesto, que forja com perfeição estas novas armas. Aquiles volta de forma arrasadora ao combate com extrema violência vai matando a todos Troianos que encontra a sua frente até chegar frente a frente a Heitor,que ele tanto buscava enfrentar, o combate entre os dois se dar de forma particularizado, pois reúne os dois mais fortes guerreiros desta guerra,os dois campeões de seus povos. Iluminado pelos deuses Aquiles chega à vitória e leva para sua cabana o corpo de Heitor para que este seja comido pelas aves sem direito as ritos fúnebres, que significava não ida da sua alma ao Hades.

A última parte deste livro é justamente o momento em Aquiles leva o corpo de Heitor par sua tenda com o propósito descrito acima. Porem, para surpresa de todos o velho Príamo, rei de Tróia vai à tenda de Aquiles pedir o corpo do filho. Juntos, protagonizam uma das mais bela cenas da literatura: o rei de joelhos pedindo ao grande herói Grego o direito de fazer os ritos de seu filho, este por sua vez espantado esquece suas mágoas pega as mãos do rei e ambos discutem sobre o destino de cada um. Assim finda a grandiosa ILÍADA.

Dados posterior ao livro


Em alguns cantos da Ilíada, Homero antecipa o que acontecerá a Tróia, como será a vitória Grega. Resumidamente, passa-se da seguinte forma.Após a morte de Aquiles,ele recebeu uma flechada no seu único ponto vulnerável,o calcanhar. Então Odisseus e Diomedes, fazem um plano bastante astucioso, que é aprovado por todos. O plano era o seguinte: eles construiriam um grande cavalo de pau colocariam em seu interior um grande número de guerreiro e, depois o restante entraria nas naves e fingiriam uma fuga. Eles contavam que os Troianos percebendo a “fuga” Grega,sairiam das muralhas e levariam para dentro o “presente”, já no interior da cidade enquanto os Troianos estivessem comemorado os guerreiros esperariam até eles chegassem a embriagues,então eles sairiam do interior do cavalo e matariam aos troianos,abririam os portões para o restante das tropas Gregas executassem a pilhagem.

O cavalo de Tróia

Os Gregos executam o plano, constroem o cavalo, depois fingem a fuga. Os Troianos ao perceberem que a armada Grega partira, saem de suas muralhas e vão à praia para comprovar a fuga, ao depararem com o cavalo eles a principio desconfiam, depois não imaginando o perigo decidem levar o presente para dentro da cidade. Lá eles realizam uma grandiosa festa de agradecimento aos deuses por sua vitória. Depois de muito beberem e libarem,eles são surpreendidos com a abertura do ventre do cavalo e de lá a saída dos guerreiros Gregos.Estes não encontraram grande resistência e logo abrem os portões de Tróia, que é saqueada,tendo todos seus homens sido mortos e mulheres tornadas escravas dos Gregos.O retorno a Grécia é descrito pela Odisséia,que é a história especifica do retorno de Odisseus mas nos dar informações do destinos dos principais guerreiros.Já na Eneida,esta,obra de Virgílio,poeta Romano,ele discorre acerca da fuga do único sobrevivente Troiano, Enéias, que será um dos fundadores mítico de ROMA.

 

Apontamentos de Livros

Desde muito pouca idade gostava de ler, me alfabetizou com 4 ou 5 anos, graças aos irmãos mais velhos e minha mãe diretora de escola pública Morava no interior do Ceará, não havia TV em casa, a nossa diversão em casa era brincar, a minha sempre foram os livros, passar páginas, aquelas letras, no fundo eu decorava as historias, que os mais velhos liam e “lia” sozinho depois.Enfim acabei a ler sem ter ido formalmente à escola.

Grande impacto me causaram os livros de Monteiro Lobato, ficara horas lendo aquelas estórias fantásticas, os personagens: Saci,Cuca, Visconde, Emília, que logo depois com a TV mostrando o primeiro Sítio do Pica Pau Amarelo. Em particular nas aventuras que eles vão à Grécia, Pedrinho enfrenta o Minotauro, aquele mundo passou a povoar minha imaginação.



A cultura Grega, posteriormente a Romana, virou minha cabeça, tudo o que tinha em biblioteca sobre o assunto em buscava ler,conhecer, aprender. Esta curiosidade vem comigo desde cedo, já adulto comecei a sistematizar as antigas leituras com as novas e fazer apontamentos destes textos clássico.

Ver imagem em tamanho grande

Há muito tempo atrás tinha o costume de fazer apontamento de resumos de livros que havia lido, de como seria importante que amigos os lessem também, daí comecei a rascunhar uma maneira de convencê-los para se aventurarem neste livros.

Agora vou aos poucos digitalizando alguns destes resumos, o primeiro que publicarei será a Ilíada, clássico de Homero

Obama e suas guerras

Tenho pensado muito sobre Obama, quase um ano de sua esmagadora vitória, o que mudou, qual significado dele para os EUA e para o mundo. Formular algo sobre alguém tão distante e localizar este alguém no nosso imaginário é uma atitude complexa, mas tentarei enfrentar.

Um Link com Roosevelt

A primeira coisa quando lembro de Obama na presidência é de outro grande presidente americano,talvez o maior e mais singular deles, Franklin Delano Roosevelt. Herdeiro de uma catástrofe econômica de 29, assume a presidência em 32 vencendo a máquina partidária e com um programa de amplas reformas, rompe com o liberalismo predominante e implementa fundamentalmente um programa keynesiano clássico, de intervenção estatal pesada. O New Deal foi centrado nos seguintes itens centrais:

  • controle sobre bancos e instituições financeiras;
  • construção de obras de infra-estrutura para a geração de empregos e aumento do mercado consumidor;
  • concessão de subsídios e crédito agrícola a pequenos produtores familiares;
  • criação de Previdência Social, que estipulou um salário mínimo, além de garantias a idosos, desempregados e inválidos;
  • controle da corrupção no governo;
  • incentivo à criação de sindicatos para aumentar o poder de negociação dos trabalhadores e facilitar a defesa dos novos direitos instituídos.

Roosevelt, apesar de vir do seio da burguesia americana, seu Theodore havia sido Presidente em 1908, foi sempre taxado de comunista, esquerdista e enfrentou uma oposição terrível do início ao fim de seu mandato, tudo em sua vida era motivo de exploração nos jornais. Espertamente ele resolveu fazer comunicação direta com o povo através do rádio, falando em cadeia de rádio sem intermediário e assim rompeu o cerco que a mídia(jornais) tentaram lhe impor, para quem tiver curiosidade sobre esta época ler “Anos Dourados” (Gore Vidal), romance que localiza bem a luta política enfrentada.

Obama

Coincidência ou não mas o motor da chegada de Obama a Casa Branca foi o desastre Bush Jr, sem isto, ouso afirmar, jamais um negro, com família com vínculos ao islã, lá chegaria. Sua ascensão é algo extraordinário, inimaginável há 10 anos, quem de nós conseguiria vislumbrar algo tão luminar?

Assume a presidência naquela que é considerada a segunda maior grande depressão da história do capitalismo, o país mergulhado num atoleiro no Iraque e Afeganistão, com pouquíssimo espaço de manobra, uma herança mais do que MALDITA, sob desconfiança da elite reacionária, que aceitou a derrota na batalha, mas prolonga a guerra via mídia. Neste contexto dentro do próprio partido Democrata, Obama tem poucos aliados confiáveis, é obrigado a montar um ministério de composição com as alas conservadoras e ainda manter um presidente do FED comprometido ainda com o Neoliberalismo.

Estive nos EUA em janeiro de 2009 e fiquei impressionado com a crise que lá campeia, falência das famílias representadas nas placas de vendas por leilão de casas por hipoteca. Lojas e departamentos em que nós estrangeiros éramos tratados como “reis”, poucos americanos comprando, ou quando compravam apenas o essencial. Várias empresas do setor automotivo indo à bancarrota, notícias de desemprego em massa.

Este fatores combinados, recessão violenta, desemprego, sensação de decadência duas guerras no front, uma mídia hostil, deixam pouco, ou quase nada, espaço de manobra para Obama se movimentar. Para nós que estamos de fora apontar o dedo de por que ele continua as guerras é fácil, por que não enfrenta os lobbies armamentitas, grupos poderosos,etc. Sua própria chanceler Hilary Clinton sabota-lhe  o trabalho, negociou com os golpistas hondurenhos, por exemplo, mas são as concessões inevitáveis de Governo novo no meio do caos. Aqui não quero justificar os erros de conduta de Obama, mas tentar explicar os fatos com isenção.

A grande aposta, talvez um pouco do que aqui Lula também fez no primeiro ano com o Fome Zero, ele tenta a reforma da Saúde, que é a maior fratura exposta da decadência do modo de vida americano, em particular dos mais pobres, e isto é GUERRA, pior do que as externas, enfrentamento que divide a sociedade americana, a mídia age como abutres tentando isolar Obama, massacrando-o em seus programas, muitos abertamente facistas.

O futuro

Continuo depositando esperança em Obama, a sua vitória, o seu significado especial, a quebra de paradigmas são coisas mais importante do que a gestão em si, claro que ele tem de fazer concessões aos conservadores, só em se sustentar no cargo já é um desafio. Espero que ele no segundo, terceiro ano possa se firmar e ter em suas mãos seu governo efetivamente, pois hoje elas estão atadas. A mudança de perspectiva das relações no mundo são melhores com ele, mesmo que pouco tenha feito, mas em si já são diferentes.

Penso que nós que temos compromisso com a mudança social, não nos tornemos algozes e coveiros de Obama, não precisamos compactuar com seus erros, mas também não nos misturarmos com as críticas grosseiras aqui vociferadas por Mirians, Merval, Sardenbeg e outros.

Sinto que é incompleto mas é até onde consigo chegar na reflexão, espero que quem leia possa livremente completar a idéia aqui expressa