"O mundo é um moinho" – a política também

“Ainda é cedo, amor
Mal começastes a conhecer a vida
Já anuncias a hora de partida
Sem saber mesmo o rumo que irás tomar”
(O Mundo é Um Moinho –  Cartola )


Nestes dias, apesar dos graves problemas que tenho enfrentado li os post nos excelentes blogs e no Twitter dos companheiros Maria Frô (este inclusive da voz a Leandro forte para consubstanciar sua posição) e de Maurício Caleiro, aí esta música do Cartola não me saia da cabeça, não conseguia acreditar que valorosos companheiros que juntos demos o bom combate contra a Direita raivosa nas últimas eleições sucumbissem a coisas tão secundárias, do meu ponto de vista, claro.

Pensei em escrever um contraponto, pois respeito e admiro demais os meus amigos, mas vi que seria melhor relembrar o cenário pós-vitória de Lula em 2002, talvez ajude a baixar a fervura.

As grandes Expectativas em Lula e Dilma


As grandes expectativas que existiam na vitória de Lula, o ineditismo de um operário sem formação universitária chegou ao poder empolgaram toda uma esquerda de longa trajetória de luta, desde as célebres greves do ABC. Estas mesmas expectativas foram redobradas com o fim de um governo de mais acertos do que erros e que consegui mudar a cara do Brasil nos últimos 8 anos, com a vitória de Dilma, uma mulher que nunca tinha sido candidata a nada, vencer as eleições presidenciais foi algo formidável.

Passado dois meses um serie de polêmicas se estabeleceu no seio da esquerda organizada, e certa impaciência com os rumos de seu governo. Decidi relembrar um pouco do que foram os 2 primeiros anos, vejam não 2 meses, digo anos, do Governo Lula, apenas pra refrescar nossa memória e refletir melhor o momento.

Lula: o filho do ABC

Lula chega ao poder central depois de 25 anos das grandes greves do ABC que o projetara como grande líder de massas, não forjado em escolas tradicionais de sindicalismo comunista. Ele forja-se como peão que cresce dentro de uma fábrica num regime de exceção cujas liberdades sufocantes é a mola mestra do crescimento econômico, mas na segunda metade dos anos 70 os militares já não davam conta nem do crescimento econômico, bombardeado pela crise do petróleo, muito menos das demandas sociais por liberdade política. A esmagadora vitória do MDB em 74 e 78 prepara um novo ambiente.

As greves de 78/79 lideradas pelo metalúrgico até então desconhecido, são o tiro que faltava para deflagrar o grande movimento pela anistia, liberdade política. Em 80 a ultima tentativa dos militares foi liberar os partidos, com claro objetivo de dividir as oposições, daí surge a grande novidade política do Brasil, o PT.

Sem muitas delongas, este não é objetivo aqui, o PT se forja como a opção vinda da classe trabalhadora mais vitoriosa do país, desde seu inicio identifica a necessidade de chegar ao poder, e nove anos depois chega ao segundo turno da eleição presidencial deixando para trás lideranças expressivas como Brizola e Ulisses. Lula se consolidará como alternativa de poder nas próximas eleições, carregando consigo todo um simbolismo de lutas sócias e transformações.

Talvez lidar com estas grandes expectativas seja a parte mais complexa da montagem do governo inicial, como atender demandas reprimidas num ambiente econômico tão ruim?

2003-2005 Lula era um “traidor”?


Desde a montagem da equipe e de algumas medidas houve acertos óbvios e erros clamorosos inoperantes. A equipe econômica não poderia fugir da lógica do mercado, não havia qualquer espaço de manobra e as medidas tomadas foram coerentes com o momento para dar fôlego futuro: 1) Exportações; 2) controle da inflação; 3) aumento do salário mínimo acima da inflação (1,46%), nada mais podia ser feito de substancial.

Estabeleceu-se uma grande polêmica a ida de Henrique Meireles para o Banco Central. Meireles tinha sido Presidente do Bank Boston e depois eleito Deputado Federal pelo PSDB-GO, como todas estas credenciais uma área estratégica do governo foi entregue a um “adversário”.

A prioridade zero do início do Governo Lula foi a Reforma da Previdência II, um aprofundamento da primeira conduzida pelo Governo FHC, no movimento sindical e na esquerda petista houve grave comoção, inclusive Heloisa Helena, Babá e Luciana Genros foram expulsos do PT, vindo formar o PSOL.

José Dirceu que liderava a Casa Civil foi incensado pela imprensa como o homem forte do Governo, chegando a ser eleito a personalidade do ano. Era o interlocutor do grandes jornais, entrevistas nas principais revistas e TVs, a mídia estava apaixonada pelo governo que não lhe era hostil.

Do ponto de vista social o grande acerto foi o lançamento da “Fome Zero” era mais que uma marca, um compromisso para aquele tempo, mas faltaram gestores que entendessem profundamente como montar um programa social tão amplo.

Do ponto de vista político a não vinda do PMDB ao governo causou graves transtornos ao governo mesmo sendo vitorioso na eleição majoritária o governo era ampla minoria no congresso o bloco efetivo que venceu a eleição só tinha 192 deputado e pouco mais 20 senadores.

Os operadores políticos de Lula foram para tática de ganhar apoio no varejo e em bases partidárias que não tinham compromissos algum com o projeto, a troca de favores e futuros financiamentos de campanha virou a moeda de troca, notadamente com o PTB de Roberto Jefferson, que foi o partido escolhido para desembarcar estes “apoios”. A lógica traçada por Zé Dirceu deste tipo frágil de apoio desembocará no Mensalão, o valerioduto criado pelo PSDB mineiro, foi amplamente usado pelos operadores Petistas, a grande diferença é que, no caso mineiro não havia interesse em denunciá-lo. No caso de Brasília tornou-se o escândalo nacional, a mídia amplificou as denuncias, CPIs e toda sorte.

Por um erro tático de FHC e aliados, que achavam que Lula iria sangrar em praça publica e desagregar seu governo, ele não foram à frente com o impeachment. Por esta lógica qualquer candidatura de oposição bateria Lula no primeiro turno, este foi refresco melhor que Lula poderia receber.

Que conjuntura é esta?

“Ouça-me bem, amor
Preste atenção o mundo é um moinho
Vai triturar teus sonhos tão mesquinhos”

http://www.vagalume.com.br/cartola/o-mundo-e-um-moinho.html#ixzz1EuBeYYiC
Vai reduzir as ilusões a pó

Em recente Post coloquei minha visão sobre o Governo Dilma e seus primeiros desafios, não pretendo ditar a verdade, mas abrir um debate sempre franco com esta parte da esquerda que pensa com mais com estrategia o futuro, que dar o bom combate, que não se furta de criticar, não diz amém. Mas ao mesmo tempo não é sectária e estreita, que sabe dos percalços de um governo de esquerda dentro da lógica capitalista.

Os desafios estão colocados, vamos abrir o debate, não acredito que depois de vencer a Direita agora abramos mão do Governo que nós elegemos, ao contrário do Maurício acho que a “primavera digital” nem se abriu no Brasil, temos muito a percorrer. Voltemos à razão cada um aqui tem sua importância política, mas não somos os donos da verdade, esqueçamos os excessos causados por um debate desgastante e sigamos juntos e em frente. Abr
aços fraternos e camaradas sempre.


A herança ideológica que nos embrutece

“Meu caro amigo,toda a teoria é névoas; auriverde só a árvore da vida( Fausto – Goethe)

Mídia tradicional X patrulhamento ideológico

A perda de credibilidade da mídia tradicional, em particular no Brasil, deve-se não apenas por sua ideologia política, mas fundamentalmente por abandonar a busca da “verdade factual” – ela prioriza muito mais a sua ideologia a informar fatos e seus desdobramentos e significados na vida. Perde assim o monopólio da informação ou a fonte mais corriqueira de busca sobre os fatos.

Ao perder este monopólio, o que levou à perda de audiência, venda de jornais e revistas, cai o fundamental: receita. Por conseguinte, blogs, portais estão sendo alvos constantes do patrulhamento político e ideológico da velha mídia.

No entanto, do lado de cá estamos estreitando diálogo com setores e pessoas no mesmo patrulhamento político, ideológico e comportamental: ler os jornais ou ver TV é motivo de chacota e policiamento, como se conseguíssemos superar nossos próprios limites informativos ou produzir algo estruturado o suficiente para fazer-lhes frente.

Questão intelectual hoje

O pessoal comemora o sumiço do Diogo Mainardi da Veja, mas deveria entender que ele é apenas reflexo do refluxo intelectual dos dois lados. A direita teve intelectuais brilhantes, hoje se contenta com histriônicos como Reinaldo Azevedo, Merval Pereira, Miriam Leitão, Waak, Jabor, Sardenberg, pior, leva-os a sério.

Estou muito preocupado com nossa formação intelectual à esquerda, vivemos uma época muito pobre  intelectualmente, reflexo direto das quedas dos muros, Berlim e Wall Street. Os dois lados perderam pesadamente. Mas, do nosso “lado” a coisa continua mais complicada de se retomar, vejamos:

1)  A velha esquerda trotskista que se julgou vencedora com a queda do Muro de Berlim foi incapaz de apresentar qualquer projeto de sociedade socialista e democrática que animasse aqueles países da justeza de suas críticas ao stalinismo;

2) A velha esquerda stalinista, quase enterrada em 89, ressurge pós-queda de Wall Street, mas também não traz projeto de sociedade socialista que rompa com seu passado de crimes e erros na ex-URSS;

3) A direita que nadou de braçada nos anos 90/00 vive uma crise sem precedente, mas mantém controle social por falta de alternativa absoluta e não surgimento de uma nova esquerda;

4) Vivemos a contradição de termos uma vaga histórica à esquerda aberta, desde 2008, mas não temos projetos alternativos;

Portanto, não adianta festejar a crise da direita se não somos capazes de ocupar este espaço, faltam-nos teoria e prática revolucionária. Aqui as nossas heranças, trotskista ou stalinista, impedem qualquer avanço; a dificuldade de dialogar e o sectarismo tornam pejorativo o debate. Caímos muitas vezes nos jargões e estigmatizamos e, qualquer pensamento crítico, os que discordam destas correntes, estreitas e medíocres, são logo qualificados de “direita”.

Volto mais uma vez ao mestre William Shakespeare e a sua mais profunda obra, Hamlet. Neste dialogo entre Horácio e Hamlet, este critica fortemente certos costumes do povo dinamarquês – bem, parece que ouço no meu ouvido as mesmas palavras sobre os nossos próprios costumes:

Horácio – Já? Não ouvi; então não falta muito para

que o fantasma volte a aparecer-nos.

(Toque de trombetas e tiros de canhão atrás da

cena.)

Que significa esse barulho, príncipe?

Hamlet – O rei está acordado e dá banquete. Bebe a

valer, rodando tudo em torno. Cada gole de Reno é

por trombetas e timbales marcado, que o triunfo do

brinde lhe proclamam.

Horácio – É costume?

Hamlet – É, de fato. Mas a meu ver – embora aqui eu

tivesse o berço e a educação – é um desses hábitos

cuja quebra honra mais do que a observância. Essas

orgias torpes nos difamam de leste a oeste, junto aos

outros povos. Só nos chamam de bêbedos, alcunha

que nos deprime, por privar os nossos

empreendimentos, ainda os mais brilhantes, da

essência medular de nosso mérito. Isso acontece às

vezes noutros meios: se nasce alguém com algum

defeito ingênito – do que não é culpado, porque a

origem para si não escolhe a natureza, pelo excesso

de sangue, que, por vezes, os fortes da razão e os

diques rompem, ou somente por hábito, que estraga

a moral cotidiana – esse coitado, que leva pela vida

tal defeito, seja mancha do acaso ou vestimenta da

natureza, embora suas virtudes sejam tão puras

quanto a graça e em número infinito, no máximo de

nossa capacidade, perde no conceito geral por essa

falha. A massa nobre se torna recalcada e diminuída

pelo grão do defeito.

Os grifos são meus, para ressaltar que temos que romper com velhos hábitos, frutos de uma herança que nada nos dignifica, só nos empobrece, quando não nos embrutece mais ainda. Construir uma nova esquerda, um novo pensamento, uma nova prática, nos livrando de um passado funesto. Retomar o velho Marx, seus textos, que cada dia menos conhecem, abrir nossas mentes para a cultura, nos livrar do “Google” e dedicar mais tempo à teoria e a pratica humanista.

#VazaKassab – SP 6 anos sem prefeito

Este blog não pretendia fazer análise de conjuntura ou de temas do cotidiano, dos 72 post publicados, pouco mais de 15% trata de temática corrente, porém devido ao caos generalizado que a cidade de São Paulo foi submetida nestes últimos seis anos resolvi através de fotos e recorte jornais  mostrar minha indignação com a indiGestão Demotucana.

(foto via celular na Faria Lima por  DanielaAF 16/02/2011)

(Foto via Celular 16/02/2011 21:00 Caos no trânsito, dois sinais atrás marrozinhos multando tranquilamente)

(Sinal de Trânsito quebrado num cruzamento da Av Indianopólis , sem ninguém para orientar..seja o que deus quiser)

A indiGestão DemoTucana

Durante a campanha para prefeito em 2004, Serra assinou documento e disse no debate na Band:

http://www.youtube.com/watch?v=NtPFYAsv2l4&feature=player_embedded#

Claro todos sabemos que ele usou a prefeitura como mero trampolim, ficando apenas 1 e 3 meses no cargo, assim como no Governo de SP que também não cumpriu mandato. Ora, ao ficar temporariamente na prefeitura Serra nunca se inteirou dos problemas efetivos da cidade, montou uma equipe de “transição” para novos vôos e no fim deixou um “presente de grego” ao povo paulistano:  Gilberto Kassab.

(criador e criatura)

Kassab é cria de Guilherme Afif Domingos, herdeiro do espólio da Arena e malufismo, foi secretário de planejamento(???) da gestão, advinhem..Celso Pitta, ou seja, teve grandes professores na sua formação de “administrador” público. Recebeu o cargo de Serra e foi tutelado pelo Tucanato que manteve o controle das principais secretárias, virou uma espécie de rainha da Inglaterra e desde o Palácio dos Bandeirantes,  Serra mandava na prefeitura.

Num gesto de total desrespeito ao seu próprio partido, Serra apoiou a reeleição de Kassab, mesmo Alckmin sendo candidato do PSDB. Com uso violento das máquinas estaduais e municipais, somada a mídia camarada e contando com o ranço anti-petista, Kassab, assim como Pitta, um ilustre desconhecido, torna-se prefeito eleito da maior cidade do país. São Paulo é pródiga em eleger a Direita mais raivosa, Jânio, Maluf, Pitta e por fim Kassab.

A desconstrução de Marta

A indiGestão Serra(o breve) e Kassab é uma mistura de incompetência e arrogância. Logo quando assumem tentaram acabar com o Bilhete Único, um dos mais bem sucedidos programas sociais de inclusão do Brasil. Como houve grande rejeição desistiram, não sem antes diminuir o alcance cortando de 4 horas o uso para 1:30, depois próximo a nova eleição novamente aumentado para 3 horas.

Esta dupla ainda acabou com as ampliações do corredores de ônibus que fez diminuir o tempo de deslocamento da população da periferia rumo ao centro da cidade e a prioridade das vias para transporte coletivo em detrimento do individual. A visão liberal radical que prioriza o individuo fez que abandonassem o projeto de grande alcance social.  O preço exorbitante da passagem de ônibus demonstra a falta de compromisso com a população que depende deste meio de transporte.  A frota envelhecida quebrada e lotada compõe este cenário triste.

Houve ainda o abandono dos CEU, a grande obra de educação da gestão Marta, em nome do “controle de gastos” mais uma vez o social foi abandonado. Os CEU projetados foram sendo paulatinamente esquecidos, os existentes perderam o fôlego e as constantes atividades culturais e de inclusão foram sendo cortadas sistematicamente. A merenda escolar de qualidade, os uniformes , livros, tudo isto foi sendo cortado ano a ano.

(fonte Agora)

As obras de combate às chuvas, os piscinões foram deixados de lado, a varrição foi diminuída, até a coleta seletiva de lixo não está sendo feita de forma séria. O que se ver hoje das inundações na cidade em qualquer chuva, além do fato de chuvas em excessos tem o componente de abandono da política de combate as mesmas. As ruas nunca estiveram tão esburacadas, os sinais de trânsitos quebram em qualquer chuva, pequena ou grande. A CET é orientada pra multar, chega a ser revoltante o sinal quebrado e os marronzinhos com a caneta multando sem controlar o trânsito.

A demagogia da campanha de 2004 de acusação midiática de “martaxa” em particular na Taxa do Lixo, esta foi suspensa, mas os valores foram incorporados ao IPTU. Para pior houve uma política de aumento violento no IPTU com a correção da base do valor venal, nos últimos 6 anos o aumento do valor é espantoso, em alguns casos em mais 100%. Houve um abandono da política do imposto progressivo, e na base liberal de que todos são “iguais” se cobra por inteiro, não na medida das desigualdades.

As políticas sociais e até as reformas urbanas mais simples foram trocadas por empreendimentos imobiliários, a situação do centro de SP é vexatória, a cracolândia é uma mácula no coração da cidade, os prédios abandonados, feios e sujos e o pior uma grande população que não tem onde morar. Na periferia e nas favelas muitos incêndios pra lá de criminosos, foram mais de 70 ocorridos apenas em 2010. As enchentes nos bairros pobres fruto da irresponsabilidade do fechamento de comportas pela Sabesp para não inundar a marginal Tietê deixou dois bairros alagados por mais de 100 dias.

(Jardim Pantanal)

São Paulo tem prefeito??

Nesta triste situação chega-se a um impasse na cidade de São Paulo e a uma pergunta SP tem prefeito? Minha modesta opinião desde 2005 esta figura não existe, mesmo nos bairros mais ricos é visível a decadência dos serviços públicos, está mais do na hora de SP se levantar e Gritar: #VazaKASSAB  a cidade não dará conta de mais 1 ano e 9 meses sem gestão pública.

Dilma e os seus primeiros desafios

“Deus me acuda! A arte é longa, a vida breve.” (Fausto- Goethe)



“Abrem-se as cortinas e começa o espetáculo”, era assim que o grande Fiori Giglioti iniciava sua narração dos jogos esportivos, e é assim que vivemos este inicio do governo Dilma: estamos com 1 minuto do 1º tempo e já tem torcedor chorando a derrota. Normal se fossem os derrotados do ano passado, mas, pior, é parte dos vencedores.

Governo de coalizão é um estica e puxa, as peças do tabuleiro foram mudadas, algumas excelentes mudanças que podem confirmar uma ótima expectativa, tais como:

1)   Ministério das Comunicações com Paulo Bernardo e a trupe da Banda Larga, que pôs no debate já a questão da nova lei dos meios. Mudanças na ECT, que foi sempre o calo do governo Lula;

2)   Ministério da Saúde com Alexandre Padilha, que chegou montando uma renovada equipe e com substancial aumento no orçamento, de 66,9 bilhões para 77 bilhões (previsão), e também sinalizou a necessidade de valorizar o SUS. Troca de comando na Funasa, fonte de corrupção;

3)   Mudanças em Furnas, antigo feudo que também era fonte de problemas graves no governo Lula;

4)   Educação: a continuidade de Haddad, que faz excelente trabalho no MEC, mantendo e aumentando seu orçamento, ampliando o Fies e as vagas do Enem.

Mas há mudanças que nos preocupam:

1)   Previdência entregue a Garibaldi Alves, depois de excelente trabalho de José Pimentel;

2)   SAE entregue ao Moreira Franco;

3)   Cultura: depois dos acertos de Juca Ferreira houve uma mudança de linha com Ana de Hollanda, que tanto tem ouriçado os companheiros do Creative Commons;

4)   Relações Exteriores: saída de Celso Amorin deixa um vácuo pelo excelente trabalho e sua imensa capacidade dar respostas às crises internacionais; faltou no episódio do Egito e das revoluções em curso no mundo árabe;

Claro que este começo é tudo muito novo, mas esta nova equipe vem em sua maioria de uma ótima experiência sob a batuta de Lula, e agora terá que mostrar serviço com a presença de Dilma. Recentemente o ministro Paulo Bernardo, no #navaranda, definiu bem as diferenças de estilo entre ambos, dizendo que Lula cobrava muito, desde a época do PT, e que na presidência passou parte desta cobrança para Dilma. Agora que ela é a presidenta, naturalmente delegará provavelmente a Palocci esta missão, de saber o dia a dia dos ministérios.

Nos primeiros embates de formação da equipe Dilma sinalizou uma mudança na relação com o PMDB, tirando-lhe funções estratégicas e problemáticas (ECT, Furnas, Funasa), gerando estresse já nos primeiros dias; a imensa maioria dos cargos continua sem nomeação, mostrando uma disposição de não se negociar no varejo, mas uma perspectiva mais clara de partilhamento do governo feitas em cima de compromissos e projetos.

Episódio recente da tentativa de Moreira Franco de controlar o IPEA, numa suposta demissão, via imprensa, de Marcio Pochmann, serve para deixar claro quem está no comando, como se constrói a autoridade.

Visões à  Esquerda e à  Direita

“Vibra meu canto agora a ignota multidão,

cujo aplauso, ai de mim! me aperta o coração;

e os a quem meu cantar outrora foi jucundo,

erram, se inda alguns há, dispersos pelo mundo”

(Fausto – Goethe )

Direita e mídia tentam fazer um contraponto Dilma x Lula, com a clara visão de diminuir o papel de Lula, ou de jogar um com o outro. Sintomático que o Invejoso FHC tenha dito que “só em não ver Lula todo dia na TV” se sentia “melhor” (ato falho de inveja mais descarado que vi na vida). Todo dia um “colonista” escreve loas a Dilma como forma de desancar Lula — claro que Lula e Dilma devem estar dando risadas, pois ambos trabalham afinadamente desde 2003.

Os mais apressados à esquerda já condenam como governo de retrocesso, alguns até votaram em Dilma, a maioria no fundo sempre fez oposição ao governo Lula: não esperaria nem dois dias para “marcar posição”. Engraçado que elogiam Lula em detrimento de Dilma…

Apenas para relembrar: o PT e parcela significativa da esquerda chegaram ao Governo, não exatamente tomou o Poder, administra o Estado burguês. Claro que estão suscetíveis a vacilações, às pressões à direita e à esquerda. Cabe a nós sempre polarizar para políticas públicas que avancem na consciência e luta dos trabalhadores, criticar e dialogar francamente, compreender passo a passo cada conjuntura, cada cenário que se apresenta, para uma intervenção política mais forte e classista.

Nossa agenda


Aos apoiadores de Dilma, que estão no campo da continuidade das mudanças começadas com Lula: temos muito, mas muito a fazer, temos que elencar a nossa real agenda, e sair deste tiroteio de 3º turno inexistente. A agenda “Mico” não pode substituir a nossa real preocupação com o futuro.

Eis alguns temas candentes:
1)  Relação do Brasil com G20;
2) Questão da nova guerra cambial/comercial;
3) Recomposição de forças no cenário nacional, novo pacto federativo com reforma tributária;
4) Pré-Sal e seus ganhos para a sociedade: Educação, Saúde e erradicação da pobreza;
5) Reforma política e relação partidária no Congresso;
6) Tecnologia: PNBL, AI5 Digital;
7) Marco regulatório das comunicações;
8) Voltar aos padrões civilizatórios de convivência social, condenação cabal às manifestações neofascistas, com punição exemplar a quem as pratica;

São grandes temas que discutiremos pouco e darão o corte no novo momento que passaremos a viver. A perspectiva de Dilma fazer um governo mais “técnico” com composição mais preparada para dar respostas políticas, mas principalmente técnicas aos grandes temas, deveria ser nosso norte.

A mais importante tarefa de cada militante

O que estava em jogo na última eleição presidencial era a possibilidade de avançarmos o debate político-ideológico, aproveitando a decadência das políticas neoliberais no mundo, mas que ainda resistem no Brasil num setor do centro-direita e com amplo apoio da imprensa local. Enquanto o mundo se desloca das alternativas de Estado mínimo, a agenda da direita brasileira a é a mesma pré-setembro de 2008.

Pela primeira vez os projetos alternativos voltam ao palco no Brasil e no mundo depois de 19 anos de massacre e pensamento único; a direita tinha seu projeto e era incontestável, hoje ela não tem projeto, apenas administra (mal e porcamente) a crise gigantesca, mas ainda não achou um novo cabedal político e ideológico para ancorar.

Foi trazida de contrabando ao palco eleitoral uma inflexão da candidatura de centro-direita, representada por Serra, à direita mais raivosa, com algumas nuances neofascistas. O debate foi empobrecido por temas de costumes (aborto, religião) e não políticos totalizantes como a questão do Estado, da economia, perspectiva da relação do Brasil com o G20 e a agenda para entrarmos noutro patamar de país que emerge do ambiente pós-crise de setembro de 2008.

Rebaixado o debate político, talvez pela leitura de que seria impossível derrotar a candidatura governista nos marcos de um debate programático mais elevado, mais ainda pela total falta de projeto alternativo ou que pudesse efetivamente se diferenciar, a opção foi reduzir e insuflar uma campanha que beirou o ódio nos temas relacionados a costumes.

Novo governo, velhas polêmicas

Cenário atual

Direita americana mais radical é a religiosa, trata Obama como bolchevique, pode acreditar, está cada dia mais xenófobo e alguns estados aprovam leis mais restritivas aos imigrantes. Na França, Sarkozy, que já estigmatizara os mulçumanos, agora quer deportar em massa os ciganos. Espanha, mesmo governada pelo PSOE, restringe os direitos dos estrangeiros, pois há desemprego em massa.

A revolução egípcia que varreu Mubarak do poder depois de 30 anos com amplas massas nas ruas é a prova concreta de que a boa e velha luta de classes está mais viva do que nunca, não importam avanços tecnológicos e científicos: quando desemprego, corrupção e ditadura estão juntos têm-se as melhores condições de derrubada de regime.

Esta nova onda de lutas de massas em países africanos e árabes é o resultado geral do aprofundamento da crise econômica aberta em setembro de 2008; os países centrais exigem cada vez mais pagamento dos empréstimos fáceis anteriores à crise, os governos locais, para cumprir as novas demandas, aprofundam políticas mais restritivas, piorando o desemprego e a miséria em geral. Estas massas sublevadas aparentemente não possuem uma direção política clara, podendo inclusive ser capturada nos ideários dos regimes à la Irã dos aiatolás.

No Brasil, a esquerda brasileira (PT) ocupou um espectro mais amplo, tomou o centro do PSDB; sobrou apenas a direita mais raivosa, fundamentalista. Este deslocamento de forças e projetos ainda não se deu por completo no imaginário popular. O PT ainda é identificado como esquerda raivosa, muitos “absorveram” Lula, mas é fato que ainda temem o PT. Isto é reforçado por um discurso extremamente preconceituoso de Serra, que afaga a direita.

A mobilidade do PT rumo ao centro independe de Lula, foi a realidade que o empurrou ao centro — para ter maior interlocução com outras forças que fazem o jogo político no Brasil, tirando do PSDB a hegemonia na sociedade.

Entender o que estava em jogo é a mais importante das tarefas de cada militante. Há que explicar pacientemente a cada um as questões subjacentes aos grandes debates, que novas e velhas demandas aparecem ou reaparecem com força, mas não podemos nos agarrar a este debate menor e esquecer a luta principal.

Dilma no governo

É preciso reconhecer o grande gênio político de Lula, que conseguiu trazer ao centro político uma mulher como herdeira, que fez a síntese de um governo com grandes acertos históricos, apoio popular e identidade nacional. Governos que recuperam a autoestima, o sentido de brasilidade.

Se com Lula tivemos um operário, sem curso superior, de origem extremamente humilde chegando ao maior cargo do Brasil, com Dilma teremos o ineditismo de uma mulher na presidência, descontada a bobagem da Miriam Leitão de falar em princesa Isabel: claro está que efetivamente, pela via popular e democrática, as mulheres efetivamente chegaram ao centro do poder nessa eleição.

Agora Dilma fará seu próprio governo que, a meu ver, será mais técnico, mais voltado para questões da reorganização do Estado. Em seu discurso da vitória ela já apontou as principais diretrizes políticas e econômicas para o novo período.

A carga simbólica desta verdadeira revolução de termos Dilma presidenta é comparável à de Obama, um negro, chegar â Casa Branca, fruto de um momento ímpar da história mundial. O Brasil tem a chance de ingressar de vez no Primeiro Mundo, mas entrar pela porta da frente, sem modismos, ocupando seu lugar com força e liderança.

O Brasil e a grande crise que ainda não acabou

Aos primeiros sinais da crise Lula, falou que ela seria uma “marolinha”, quase foi massacrado pela mídia e seus acólitos no parlamento. Porém ele jogou todo seu patrimônio político no combate à crise. Enfrentou-a de peito aberto, com o significativo pronunciamento do Natal de 2008.

Lula jogou todas as forças e recursos do Estado para que o Brasil fosse pouco atingido pelos efeitos da crise. Importante lembrar os coveiros (Miriam Leitão, Sardenberg, PSDB e DEM), que torciam, entusiasmados com a possibilidade de derrotar o governo. Todo dia comemoravam um número ruim que saía. Em abril chegaram a dizer que o desemprego explodiria em 2009, que a geração de novos empregos seria nula. No parlamento a ‘“marolinha” era motivo de chacota, os programas eleitorais do DEM/PSDB/PPS repetiam as piadas sobre a crise.

Logo em junho a situação se inverteu, o pior passara, o crescimento seria ZERO, mas no mundo todo seria em média de -4%, ou seja, estávamos no lucro. A previsão de geração de emprego foi de 1 milhão.

Apesar do excelente ano de 2010 para economia brasileira, persiste no mundo um quadro de baixa recuperação da economia combinado um processo acelerado de inflação de alimentos que atinge diretamente as camadas mais pobres. Diante deste cenário as medidas tomadas pela equipe econômica de Dilma apontam para o caminho da restrição ao consumo, diminuição das compras estatais, não contratação de novos servidores. O grande capital perdeu eleição com seu candidato principal, mas mesmo assim abocanha os maiores ganhos com a manutenção do esforço fiscal e pagar os juros e o aumento da Selic.

Desolador é ver que setores da esquerda debatendo o Ministério da Cultura e a verdadeira luta de classes se perpetua nas medidas econômicas. Focar a nossa luta e a disputa político-ideológica é a maior tarefa militante, discutir as questões secundárias é o caminho de perder as oportunidades do debate mais central e decisivo.

#PT31Anos – Sem medo de ser feliz

Sinceramente não saberemos se aqueles caras que fundaram o PT naquele 10 de Fevereiro de1980 imaginavam a grandeza histórica do seu gesto. Hoje, passados 31 anos, a Estrela continua a brilhar no imaginário dos trabalhadores, dos excluídos como seu partido e sua esperança.Raramente na história política do Brasil um partido criando no seio da classe trabalhadora ultrapassou seu marcos e tornou-se o galvanizador dos sentimentos democráticos e populares.

Hoje é dia de comemorar um dos eventos mais importantes da democracia brasileira, noutra oportunidade esta trajetória deve ser melhor debatida, criticada, mas como homenagem a música e o momento histórico que mais me emocionou nestes 31 anos, acompanho como militante de esquerda, não filiado, desde 1983, sempre nos embates e nos acertos e desacertos com respeito e carinho pelos companheiros do PT.

Campanha de 1989

e diplomação de Lula em 2002

Parabéns e à luta companheiros, hoje e sempre…

Ájax – Herói e sua Hybris

 

 

Ájax

Sófocles

“Sem os grandes, os pequenos

são o amparo de uma torre vacilante;

mas, aliado aos grandes, o pequeno melhor

Se ergueria, assim como o grande seria erguido pelos menores.”

Tema: Tragédia. Traição. Autoritarismo e Heroísmo

Resumo: Após a morte de Aquiles, nos muros de Tróia, os heróis Gregos se reúnem para homenageá-lo e fazem um torneio para saber com quem ficarão as suas armas. Os dois concorrentes são Odisseu e Ájax Telamon.

O Livro

Morto Aquiles, os heróis se reúnem e fazem um torneio para decidir quem ficará com as armas dele. Odisseu vence o duelo contra Ájax e fica com as armas de Aquiles. Ájax que era reconhecidamente o segundo maior e mais forte herói, fica revoltado suspeitando que Agamenon o comandante em chefe da armada grega, trapaceou nas regras do torneio para beneficiar Odisseu.

Ájax se rebela e recolhe-se ao seu acampamento, abandonando a luta contra os troianos, mas sua hybris de vingança não o deixa em paz, quer matar Odisseu, pois personifica a humilhação sofrida. A noite vai ao acampamento Grego para sua realizar seu intento, no entanto a deusa Palas Athena o engana e “cega”, que pensando tratar-se de soldados gregos, ataca ferozmente e mata todo rebanho grego, exceto um belo boi, que julga ser Odisseu, amarra-o e o leva consigo.

Ao amanhecer diante da carnificina os heróis se reúnem e vão ao acampamento de Ájax, que ao acordar percebe o mal causado, profundamente arrependido diante da assembléia se suicida com a própria espada.

Teucro seu amigo e meio-irmão tentar levar o corpo para prestar as exéquias e as justas homenagens ao grande herói que enlouquecera e se matara, porém impedido pelos fracos e covardes irmãos Menelau e Agamenon que comanda a armada Grega. Estes humilham Teucro ameaçando-o, pois Ájax teria que ser comido pelas aves de rapina pelo crime cometido.

Neste instante entra Odisseu, que apesar de ser o alvo do ódio de Ájax, coloca-se ao lado de Teucro e faz belo discurso lembrando o quanto Ájax fez pelos gregos, que fora Herói por toda vida, não podendo ser esquecido após a morte, mesmo com seu fatal erro. Arremata assim, Odisseu:

“Não, não conheço nenhum e, embora seja meu inimigo,

lamento seu infortúnio. Esmaga-o terrível fatalidade.

Em seu destino entrevejo meu próprio destino.

Todos quantos vivemos, nada mais somos

que farrapos de ilusão e sombras vãs”

Pequeno Comentário

É um pequeno livro com grandes reflexões em que traça um perfil moral de alguns Heróis gregos, desde Ájax movido pela Hybris da vingança em busca de seu timé(honra) até as palavras sábias e sensatas de Odisseu, passando pela covardia e vilania dos irmãos Menelau e Agamenon, que com mesquinharia queriam sonegar as homenagens ao grande herói que enlouquecera.

Cabe lembrar os muitos companheiros que lutaram conosco e por qualquer motivo se recolhem nos deixam, então passamos a desprezá-los ou fingir que eles nada fizeram pela nossa luta. Este livro desperta este sentimento de saber os limites de cada um, saber que cada um fez uma parte, que tiveram/tem seu valor, que devemos respeitá-los em suas opções e engrandecê-los pelo que fizeram ao nosso lado.

Nota sobre Hybris:

“hýbris” ( ὕϐρις ) é força desmedida que ultrapassa a medida do herói ou do homem para com os seus ou em relação aos deuses,  fatalmente ele será punido.  Como bem observa Junito de Souza Brandão:

“O herói acumula atributos contraditórios. De natureza excepcional, ambivalente, não raro aberrante e monstruosa, o herói se revela resplandecente e tenebroso, simultaneamente bom e mau, benfeitor e flagelo. Dominado por uma  ὕϐρις, “hýbris” incoercível, sua “démesure”, seu descomedimento não conhece fronteiras nem limites.”